quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Maravilhas de 1900 carregadas de premonição


E aqui vos deixo o link das 17 gravuras que faltam de um tempo premonitório do sec. XXI . (aqui)

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Efeméride . Carlos Paredes faria hoje 93 anos

(Coimbra, 16 de fevereiro de 1925 — Lisboa, 23 de julho de 2004 )

Pintura de Fernando Botero, "Guitarra"

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Carnaval dos Animais


"Carnaval dos Animais", de João Vaz de Carvalho

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

que o dia que aí vem seja ... a vosso jeito

Noé Sendas (Bruxelas, 1972)
o amor é uma noite a que se chega só

José Totentino de Mendonça

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Para quem ainda vai passando, bom fim de semana .


ALMIRA

estavas sentada frente ao chá
bebias devagarinho
e eu sorvia 
a tua voz de passarinho
o teu olhar brilhante
muito calma
dizias-me sempre repetidamente
sabes eu ainda quero viver muito
não quero morrer já
sabes eu tenho muito ainda para criar 
e sim, eu sabia 
que dos teus dedos nasciam
poemas, desenhos, pinturas
tantas e diversas obras de arte
onde o sonho cabia todo lá dentro
tu eterna menina girassol.

Celeste Craveiro 
imagem: obra de Maria Almira Medina - autoretrato


Hoje, mão amiga do FB, Celeste Craveiro, trouxe á minha memoria, a minha conterrânea Maria Almira Medina, filha do fundador do Jornal de Sintra.
Conheci Almira em inaugurações de exposições suas e a outras coisas ligadas ao mundo das artes. A de poemar, por exemplo.

Obrigada, Celeste. Um destes dias tomaremos um chá em Sintra, com conversas coloridas.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Terça foi dia de fala em "fanado" *

"avançou esta terça-feira a secretária de Estado da Igualdade, defendendo que estes "números dramáticos" Quase 240 casos de mutilação genital feminina foram detetados em Portugal entre 2014 e 2017, têm de ser combatidos intensificando a luta contra esta prática." Expresso de ontem.
Nos últimos três anos, "deu-se conta de 237 casos em Portugal.

* "fanado", excisão do clitóris das mulheres e crianças jovens

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Maravilhas no mundo da dança ... Bom fim de semana

Marcelino Sambé tem 23 anos, é português e foi eleito pela Forbes como um dos jovens “mais brilhantes” da Europa, com a atribuição de um lugar na lista dos 30 jovens abaixo dos 30 anos (30 under 30, como é conhecida), onde estão ainda mais três portugueses. (ler aqui )

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Flores de Georgia para vós . Bom fim de semana...






Georgia O`Keffe viveu a pintar, durante quase um século, e a pintar morreu.

Os seus quadros ergueram um jardim na solidão do deserto.

As flores de Georgia, clitóris, vulvas, vaginas, mamilos, umbigos, eram os cálices de uma missa de acção pela alegria de ter nascido mulher.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Eles são Elas.... ( e eu não sabia)


Em 1847, três romances comovem os leitores.
O Monte dos Vendavais, de Ellis Bell, comta uma história devastadora de paixão e vingança. Agnes Grey, de Acton Bell, expõe a hipocrisia da instiyuição familiar. Jane Eyre, de  Crrel Bell, exalta a coragem de uma mulher independente.
Ninguém sabe que os autores são autoras. Os irmãos Bell são irmãs Bronte.
Estas frágeis donzelas, Emily, Anne e Chrlotte, aliviam a solidão escrevendo poemas e romances numa aldeia perdida nos campos de Yorkshire. Intrusas no masculino reino  da literatura, põem máscaras de homens para que os criticos lhes perdoem o atrevimento, mas os críticos maltratam as suas obras rudes, crus, grosseiras, selvagens, brutais, libertinas ...

MULHERES, de Eduardo Galeano

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Para colorir o vosso fim de semana .... Que seja a vosso jeito


Pinturas de Eduardo Luis, nascido em Braga em 198- Paris, 1988)

O ùnico sentido íntimo das cousas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.

Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Germana Tânger.... Homenagem


"viverá até se ver"


1ª pintura - O Espelho de Vénus, 1875, óleo sobre tela de Sir Edard Burne-Jones

2ª Espelho "Serpentes", de Rrné Lalique , 1945

3ª pintura , Narciso na Fonte, 1797, de Francisco Vieira

O MITO DE NARCISO
O espelho, indispensável ao autoconhecimento, por dar visibilidade a novas geografias do nosso corpo - immagens de parte do corpo que os nossos olhos não conseguem captar, como o rosto , as costas ou o pperfil -, é simultaneamente traiçoeiro, ao inverter as imagens: para quem olha para o espelho, a mão direita é a esquerda.
Imagine-se que pela 1ª vez se confronta com a sua imagem , Narciso é um caso paradigmático.

Excerto de texto do catálogo sobre a maravilhosa exposição na Gulbenkian, "Do Outro Lado do Espelho"

sábado, 20 de janeiro de 2018

Procuro o homem da capa.... a-len-te-ja-na ....

"O Alentejo está na moda!
O capote alentejano chegou à moda italiana e no último ano já circulou pelas ruas de Florença, nos bastidores de um evento internacional.
Fotografia: The Journal of Style"

Surripiado no FB, a Afonso Albuquerque

Eu acrescento.


Italiano, capote alentejano, mas que mistura mais fina .
E.... veio- me a memoria a minha samarra feita por medida , penso que na rua dos Fanqueiros.
Depois, o meu tique proletário levou - me talvez a da-la a alguém com mais frio do que eu.
E, já agora , onde se pode encontrar este Kit completo sem ir a Itália?
Mamma mia ....

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Não olhes....



Não olhes o meu rosto devastado pela idade
a vida para mim é como se chovesse
mas se viesses seria como se me acontecesse
cantar contigo a perene mocidade

Ruy Belo
Volume of Light, um projeto criativo do fotógrafo Thomas Brown

"Navegação de Cabotagem "

Jorge Amado (excerto)

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Melodias de sempre, serão para trabalhadores ou era uma vez Madalena .... (Eurovisão premiada em 1966 e agora por Savador em 2017)

Para as pessoas da minha geração e a viverem em cidades ligadas ao espectáculo estival, aliado ao pequeno ecrã, único entretenimento em épocas de Eurovisão, em que se ía ao café ou às Associações recreativas ou de Bombeiros, ouvir  o nacional cançonetismo não nos era indiferente.

Madalena Iglesias, Simone, António Calvário, Tony de Matos, Artur Garcia , João Maria Tudela , dos que me lembre, passavam quase 3 meses em espectáculos,  no que foi muito belo Casino da Figueira da Foz. 
Eu, teria os meus 12 anos e também tinha um pequeno e bonito livro de autógrafos vermelho , com um calhambeque desenhado, com o qual eu ía pedir autógrafos  quando passavam ou íam a outro icónico e desaparecido café , O NICOLA .

Esse livro perdeu-se, ou roubaram-mo.... Alguma rival, ciumenta,  de algum membro do grupo musical, que anos mais tarde assentou anos a fio na Figueira e onde todos debitaram a sua dedicatória.... Eles eram uns "rebenta corações"...

Madalena era bonita. O despique com Simone de Oliveira era gostoso, como gostoso era ver duas mulheres bonitas e expressivas. 
Assusto-me.... Dizem que a História só se faz ao fim de 50 anos  e eu já a começo a fazer.

(Vejo neste momento na RTP António Calvário. Não é que está novo para a idade?)



Amores e desamores ...




A grande e única paixão de Erik Satie , que o levou a compor entre 1893-94 "Vexations" , horas infinitas de piano, que em forma de performance, Joana Gama interpretou ininterruptamente, no domingo na Gulbenkian.
Arte sem limite .

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Há treinos e treinos....

Todos os resultados ficam á vista.... :)

Boa semana

sábado, 13 de janeiro de 2018

Um poema para vós e fim de semana a vosso jeito....

mário cesariny / you are welcome to elsinore



Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam

e podem dar-nos morte violar-nos tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício

Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós

e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam
o seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras noturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o
amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar


mário cesariny
pena capital
assírio & alvim
1982

Para os amigos que aqui vão passando um enorme abraço. Não tenho visitado as vossas casas virtuais, mas estais no meu pensamento. Logo, a qualquer momento...



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Concerto de Ano Novo


Hoje, no Centro Olga Cadaval, um Concerto de Ano Novo" sui generis", com o Coral Sinfónico de Portugal. 

Ensaiam 1 vez por mês em Torres Novas , vindos de várias partes do país, pois é onde vive a maestrina .

Esta soprano deixou-me encantada pela sua interpretação e beleza, vestida numa saia preta de blusa vermelha . Sedutora . 
Era proibido fazer fotografias. Mas, à saída , dou-me de caras com ela e saiu-me : " é tão bonita e esteve tão bem que por favor, deixe-me fotografá-la agora".
E assim foi . O meu amigo Nuno Porto , ao lado ficou bem enriquecido.... 
Bem haja.


sábado, 6 de janeiro de 2018

Um poema para quem passa e fim de semana a vosso jeito....

A Concha


A minha casa é concha. Como os bichos
Segreguei-a de mim com paciência:
Fachada de marés, a sonho e lixos,
O horto e os muros só areia e ausência.      
          
Minha casa sou eu e os meus caprichos.
O orgulho carregado de inocência
Se às vezes dá uma varanda, vence-a
O sal que os santos esboroou nos nichos.      
             
E telhados de vidro, e escadarias
Frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!
Lareira aberta ao vento, as salas frias.         
                
A minha casa... Mas é outra a história:
Sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,
Sentado numa pedra de memória.      
                 
Vitorino Nemésio, O Bicho Harmonioso (1938)

As minhas fotografias

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A cada uma o seu exorcismo...


"Algumas, num genuflexório e atrás de uma rede escura, confessam-se. Outras, talvez mais sábias, tomam banho e lavam-se. Umas outras ficam limpas e vazias de culpa. Um duche, um banho de imersão, um momento de cavaqueira de peito descoberto. Velhas receitas, boas para tranquilizar"

Felix Vallotton. 1899

Do livro, Receitas de Amor para MulheresTtristes

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Triste, eu? nem por isso....

"Mas que cansaço, não tem um minuto. Mentiras. O que não tem é forças para pensar a vida, calma para sentir como ela corre.
Quando ela não tem tempo, quando ele trabalha muito e mede os segundos como outros medem as horas e os dias, incapaz de se sentar a conversar por um instante, sem ansiedade, não acredites nele. O trabalho é o esconderijo que os homens encontraram para não viverem segundo um ritmo mais humano e mais decente. É a maneira que têm de estar sós sem terem de dizer que querem estar sós. "

Do livro, Receitas de Amor para MulheresTtristes
Pintura de Felix Vallottton, 1898

domingo, 31 de dezembro de 2017

Bom 2018



Haverá

um acordar

Mário Cesariny, A Antoni Artaud

Pintura de Felix Vallotton

sábado, 30 de dezembro de 2017

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Mudam-se as vontades , os gostos, ou a moda reinventa-se ?


Impossível fugir à cusquice real. Qualquer "bom "jornal ou TV promove os "abensonhados" noivos.
 A alguns encontros com pessoas da minha idade que não vejo há muito, como antigos colegas de liceu da Figueira da Foz,  o prazer de relembrar o que estava adormecido. Eu,  chamo de SUDOKU afectivo.
Hoje, ao ver esta fotografia dos noivos, talvez numa visita oficial, o casaco de Meghan , fez-me lembrar o meu casaco de noiva. A minha roupagem de dia de casamento . 
Um casaco lindo de morrer, escolhido por mim e minha mãe na revista francesa JOURS DE FRANCE ou ELLE , feito com carácter de urgência ( a noiva não estava grávida....), por uma grande modista da Figueira, que só o fez por ser quem era, e eu não era princesa....  , mas já era próximo do Natal, e a Dona Maria José  gostava muito de mim.
 Casaco que na 1ª prova , na companhia do noivo, ia fazendo acabar o casamento que durou 12 anos. ( como dizia a família, " os artistas são esquisitos... ). Casaco com muitos pontos e pespontos , tantos como a vida dá. 
Mas , ao que eu quero chegar. Ao fim de 44 anos , idade da minha fotografia , os noivos reais em termos de moda, não são nada diferentes dos reais noivos do sec. XXI.(1973 // 2017).
Quando subia o Chiado e ía à Brasileira, eu uma novata moradora em Lisboa , em principio de vida, via algumas mulheres olharem ostensivamente para mim. Ficava admirada e perguntava . "Será que olham para o meu casaco????"
Ao que,  o já marido,  respondia com o seu sentido de humor e vai-da-de. "olham para ti a ver se me vêem. " 
Até o noivo tem ares de Harry..... , mas todo mediterrânico.

UMA HISTÓRIA DE FIM DE ANO,  SEM CARTOLA

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017